Segundo o Plano de Manejo Florestal Sustentável (PMFS), a derrubada de árvores segue certas normas de seleção e ciclos de corte. O ciclo é o intervalo determinado entre as explorações em uma mesma Unidade de Trabalho (UT), dentro da Unidade de Manejo Florestal (UMF), variando de 25 a 35 anos quando aplicado o uso de maquinário de arraste de toras,  ou de 10 anos sem as máquinas, além da variação de intensidade máxima de corte, sendo 30m³/ha e 10m³/ha, respectivamente, com o intuito de garantir a capacidade de sucessão florestal nas clareiras, definidas como os espaços na floresta formados pela extração, e permitir explorações futuras.

A seleção de corte engloba questões de proteção por lei, como o Art. 29 do Decreto Federal nº 5.975, de 30 de novembro de 2006, que cita espécies como a Bertholletia excelsa (castanheira) e Hevea spp. (várias espécies de seringueira), categorizadas como proibidas para exploração com finalidade madeireira, em florestas naturais, primitivas ou regeneradas. Além disso, a restrição pode estar relacionada à localização das árvores, como aquelas presentes em Áreas de Preservação Permanente (APP), como previsto no Art. 7 da Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, referente à Proteção da Vegetação Nativa. Ademais, deve ser respeitada a manutenção de pelo menos 10% do número de árvores por espécie na UT, além de no mínimo três árvores por espécie em 100 hectares (ha) para cada unidade de trabalho.

Ao nível de indivíduo, é analisado o diâmetro à altura do peito (DAP), sendo permitido na Amazônia, apenas a extração daqueles com diâmetro mínimo de corte (DMC) de 50 cm, e outras operações florestais avaliadas em campo, como últimos determinantes para a derrubada, sendo considerados motivos de não corte a ocorrência de árvores portas sementes ou matrizes, a presença de ninhos, a existência de partes ocas ou apodrecidas (teste do oco), observação da tortuosidade do tronco, o bloqueio devido à presença de cipós ou árvores muito próximas, o erro de espécie no mapeamento do inventário ou a não localização desta pela equipe de derruba.