A Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal (APAT) é um ato administrativo, ou um requisito prévio, que analisa a viabilidade jurídica, a regularidade ambiental e o georeferrenciamento da área, com o objetivo de executar práticas de manejo florestal sustentável de uso múltiplo. A APAT não autoriza nenhum tipo de exploração florestal, desmatamento ou prova de posse e propriedade para fins de regularização fundiária. Também não autoriza nenhuma obtenção de financiamento junto às instituições de crédito público ou privado. Para áreas públicas não será necessário a autorização, contanto que se tenha o Contrato de Concessão Florestal. É obrigatório que todos os imóveis que integram o Plano de Manejo Florestal Sustentável (PMFS) tenham a APAT, sendo ela livre de qualquer cobrança.

Para se obter a APAT é necessário apresentar os seguintes documentos à Gerência da Central de Atendimento (GECAT): o Cadastro Ambiental Rural (CAR), documentação de identificação do proponente, documentação fundiária do imóvel, análise geotecnológica do imóvel e documentação específica quando se tratar de áreas exploradas sem autorização do passado. A Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA) analisará e se manifestará quando as documentações apresentarem adequação da identificação pessoal do proponente, comprovação da regularidade do título ou posse do imóvel, da inexistência de sobreposições com terras indígenas e Unidades de Conservação (UC) e da comprovação da cobertura florestal existente na área, a partir da análise de imagens de satélite.

A emissão da APAT pela SEMA tem validade de 12 (doze) meses, podendo ser renovada pelo protocolo do Requerimento Simples com base em justificativa plausível. A obtenção da APAT  é requisito principal para o protocolo dos pedidos de PMFS na Secretaria do Estado do Meio Ambiente (SEMA).

Caso seja identificado áreas de desmatamento nas Áreas de Preservação Permanente (APP) ou nas áreas de Reserva Legal que não constam no CAR, o setor de geotecnologia deverá se manifestar através de um Laudo Técnico indicando o ocorrido para que posteriormente sejam feitas análises e providências no setor jurídico. Quando o imóvel for constatado como passivo ambiental, independente da área estar se regenerando ou não, deverá ser celebrado o Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta (TCAC) entre o proprietário e a SEMA.